Reduzindo o risco de erro de medição com a calibração e checagem do instrumento

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade
metrologia, semanalmente em seu e-mail

Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

Neville Fusco

Neville Fusco

O instrumento de medição é o elemento mais conhecido do processo de medição. Ele tem uma importância fundamental, mas não é o único.

Com o uso, o instrumento de medição tende a perder desempenho, isto é, aumentar seu erro de medição.

Conhecer a evolução do erro de medição ao longo do tempo é fundamental para reduzirmos o risco de medição, melhorar a qualidade e ter confiabilidade nos resultados de medição.

Para avaliarmos o erro de medição realizamos dois tipos de experimentos técnicos: a calibração e a checagem. Ambos estão previstos na ANBT NBR ISO9001 e na ABNT NBR ISO/IEC17025.

A checagem do instrumento é tão importante quanto a calibração, sendo realizada em intervalos menores. Por exemplo, se calibramos um instrumento anualmente, podemos realizar sua checagem trimestralmente.

 A diferença entre a calibração e a checagem do instrumento

Uma maneira simples para entendermos essa questão é tratarmos a checagem como uma calibração simplificada.

O objetivo de realizarmos a checagem é garantir que os resultados da última calibração ainda são válidos e o instrumento continua fornecendo resultados confiáveis.

Normalmente, a calibração é realizada em um intervalo maior que a checagem, sendo que os resultados de uma calibração são apresentados em um certificado, com os erros, incertezas e demais informações requeridas no item 7.8 da norma ABNT NBR ISO/IEC17025.

A checagem pode ter seus resultados apresentados de uma forma simplificada, sem considerar as incertezas e todas as informações requeridas para uma calibração.

Entretanto, a checagem deve ser feita com um método tecnicamente válido e consistente, considerando os padrões e valores de referências adequados.

É comum que a “checagem” de um instrumento seja realizada de forma completamente inadequada. Isso acontece quando ignoram o uso de valores de referências adequados, padrões consistentes ou métodos tecnicamente válidos.

Desse modo, os resultados da checagem não são confiáveis, sendo impossível definir se o instrumento fornece dados válidos e úteis para a qualidade de produtos e processos.

Avaliando o resultado da calibração e da checagem

Os resultados gerados por uma calibração ou por uma checagem devem ser avaliados e aceitos.

Em ambos os casos temos o erro de medição como uma informação que deve ser avaliada e comparada a um requisito. Normalmente o erro máximo permissível, critério de aceitação ou tolerância do instrumento.

Na calibração é recomendado considerar o erro de medição e sua incerteza associada para aceitarmos ou rejeitarmos os valores declarados no certificado. Na checagem avaliamos somente o erro de medição para aceitarmos ou reprovarmos os resultados.

A reprovação dos resultados de uma calibração ou de uma checagem é um problema sério e tem impacto direto na qualidade.

Um instrumento com um erro acima do aceitável sendo usado gera resultados errôneos, afetando a nossa percepção do que está acontecendo com os produtos e processos, ou seja, afetando a nossa tomada de decisão sobre a qualidade e conformidade.

O que fazer quando temos um problema?

Reprovamos o instrumento na checagem ou na calibração, o que fazer agora?

Um dos pontos mais importantes é resolver o mais rápido possível a situação do instrumento, realizado o ajuste e realizando uma nova calibração para avaliar e evidenciar que o erro está em valores aceitáveis.

Uma segunda etapa é avaliar o impacto na qualidade do produto ou processo.

O recomendado é abrir uma não conformidade para levantar o histórico de medições realizadas com esse instrumento ou os possíveis produtos/processos que tiveram a conformidade declarada com esse instrumento.

Essas informações devem ser analisadas e caso necessário o cliente deve ser comunicado sobre possíveis problemas na qualidade de produtos.

Ações corretivas devem ser tomadas para eliminar as causas e resolver o problema nos produtos/processos afetados.

O impacto de um instrumento reprovado em uma calibração ou checagem pode ser simples ou extremamente complicado, mas deve ser tratado de forma adequada, especialmente, quando o cliente é afetado.

Usando tecnologia para reduzir riscos

O uso de tecnologias como o Metroex para automatizar a gestão dos prazos de calibração e checagem, bem como a avaliação dos resultados integradas a tecnologia podem ajudar a reduzir esses riscos.

Com o Metroex você conseguirá acompanhar essas avaliações de forma efetiva, tomando melhores decisões em relação ao seu instrumento.

A partir disso, você reduzirá custos e atuará de maneira preventiva, identificando problemas antes que eles afetem o seu cliente.

Sobre o autor (a)

Deixe um comentário

Blog da Metrologia

Artigos relacionados

Publicidade

Banner vertical - webinar seja auditor

Qualicast

Qualicast